domingo, 11 de maio de 2014

Tudo que eu poço

No fundo, 
É superficial tudo o que eu fosso, 
No fundo não posso.
No fundo, tudo o que faço
É anacrônico e remoto
Boçal esboço 
Mal escrito e bem escroto
Do que deveria ser 
E não foice.
No fundo, 
Logo ali é lodo, 
Tudo é mais limbo,
Mais escasso
No fundo 
É sem água e maremoto 
O que falo é esgoto, 
Tudo canhoto, 
Roldana rota
De rota torta
Derrota certa
Superficialmente profundo
Humor de mofo.
É fossa!
E tosco
É soco 
No olho da cara
Na boca do estômago
Pro fundo.

AlexSandroBambiL